Minicursos - Lógica de Programação

Vetores


Vamos falar sobre esse importantíssimo conceito chamado vetor. Vou me arriscar a dizer que não importa o tamanho da aplicação que você irá desenvolver, seja para Web, Desktops ou até dispositivos móveis, os vetores serão necessários. É realmente um dos assuntos mais importantes da programação, mas eles são muito fáceis de serem entendidos. Vamos lá! Eu gosto de pensar em vetores como se fossem armários com gavetas. Nestes armários, como o da imagem abaixo, nós podemos guardar vários tipos de objetos. Com vetores acontece a mesma coisa.



Eles são compartimentos capazes de armazenar dados diversos, como números, caracteres isolados, textos, enfim, praticamente de tudo o que precisarmos.

Assim como fazemos com as variáveis, quando estamos criando um vetor devemos informar de que tipo ele será, ou seja, que tipo de informação ele será capaz de armazenar em suas “gavetas”. Também tomando como exemplo a imagem ao lado, vamos imaginar que fosse um vetor capaz de armazenar “documentos”. Claro que o tipo de dado “documento” não existe, mas ficará muito simples entender o funcionamento de um vetor assim. Nós poderíamos colocar, na primeira gaveta, o documento do carro. Na segunda, o documento da casa. Na terceira, documentos do celular, e assim por diante. Desde que fossem documentos, poderíamos armazená-los nas gavetas.

Bem, imaginando que tenhamos criado um vetor capaz de armazenar números inteiros, poderemos colocar cada número em uma gaveta diferente. A primeira gaveta poderá armazenar, por exemplo, o número 26, a segunda o número 31, a terceira o número 4 e assim por diante.

Dessa forma teremos um armário, ou seja, um vetor, armazenando a sequência de números que desejarmos. Para acessar estes números é muito fácil. Os vetores possuem índices, que nada mais são do que o número da gaveta, e é com eles que fazemos a manipulação dos dados. Vejam na imagem abaixo a ilustração de um vetor de números inteiros com 5 números armazenados:



Na primeira gaveta temos o número 26, na segunda o 31 e assim por diante. O destaque fica por conta da última gaveta, ou seja, do último índice, que armazena um número negativo. Assim como acontece nas variáveis, se criarmos um vetor de números inteiros, ele poderá abrigar números negativos sem qualquer problema.

Bem, para resgatarmos o valor armazenado nas gavetas, fazemos uma chamada ao vetor e ao seu índice, entre colchetes. Imaginando um vetor cujo nome seja “MeuVetor”, faríamos o acesso a um dos valores armazenados da seguinte forma:

MeuVetor[2];

Se quiséssemos acessar a próxima gaveta, ou seja, o próximo índice ou a próxima posição do vetor, faríamos:

MeuVetor[3];

O interessante a ser observado é que em praticamente todas as linguagens de programação os índices do vetor começam a ser contados a partir do zero e não do número 1. Vou ilustrar na imagem abaixo:


Para deixar claro o posicionamento dos índices e ainda supondo que este vetor se chame "MeuVetor", o número 26 está armazenado em MeuVetor[0], o número 31 está armazenado em MeuVetor[1], já o número 4 está armazenado em MeuVetor[2] e assim por diante.

Vejam que temos um vetor de 5 posições, portanto com índices variando de 0 a 4. Se tivéssemos um vetor de 10 posições, seus índices variariam de 0 a 9. O tamanho que um vetor terá, ou seja, a quantidade de índices, é definida no momento de sua criação.

É isso. Esse é o famoso vetor, que, conforme citei acima, sempre está presente em aplicações, grandes ou pequenas. Na sequência falaremos sobre Matrizes.



Algumas notícias

O que acontece com o cérebro no exato momento em que morremos

O que passa em nossa cabeça no momento da morte? Não se sabe exatamente e, embora os cientistas tenham alguma resposta, a resposta continua sendo um grande mistério. Além de difícil solução, tentar respondê-la pode criar implicações éticas. No entanto, uma equipe de cientistas da Universidade...

Ler Notícia Completa

Operada e devolvida ao útero, menina que nasceu duas vezes hoje 'acorda sorrindo toda manhã'

Um bebê pode nascer duas vezes? Não é o caso da absoluta maioria das crianças, mas foi assim para a pequena Lynlee Boemer. Em outubro de 2015, sua mãe, Margaret Boemer, descobriu que estava grávida de gêmeos. Ela sofreu um aborto espontâneo, mas um dos bebês sobreviveu. Com dez semanas de ges...

Ler Notícia Completa

Médicos dizem estar perto de chegar a exame de sangue para todos os tipos de câncer

Cientistas dizem que estão mais perto de criar um exame de sangue universal, capaz de identificar todos os tipos de câncer. Estudo conduzido com 1.005 pacientes por uma equipe da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, testou um método que detecta oito tipos de proteínas e 16 mutações ge...

Ler Notícia Completa
Você gostará destes vídeos: