Leia também!

O que havia antes do Big Bang, segundo Stephen Hawking

Existia algo antes do começo de tudo? Para além da explicação teológica de que existia Deus, que satisfaria os religiosos, os especialistas buscam resolver o enigma que não deixa descansar as mentes que se dedicam a estudar o assunto. A ciência em geral aceita a teoria do Big Bang: o momento...

Ler Notícia Completa

Operada e devolvida ao útero, menina que nasceu duas vezes hoje 'acorda sorrindo toda manhã'

Um bebê pode nascer duas vezes? Não é o caso da absoluta maioria das crianças, mas foi assim para a pequena Lynlee Boemer. Em outubro de 2015, sua mãe, Margaret Boemer, descobriu que estava grávida de gêmeos. Ela sofreu um aborto espontâneo, mas um dos bebês sobreviveu. Com dez semanas de ges...

Ler Notícia Completa

Polícia chinesa já faz uso de óculos com reconhecimento facial

A polícia chinesa encontrou uma nova forma vigiar ainda mais os cidadãos. Conforme relata o The Wall Street Journal, os policiais locais estão usando óculos equipados com câmeras de reconhecimento facial para detectar criminosos que estejam tentando fugir principalmente pelas estações de trem. A...

Ler Notícia Completa

Conheça a terapia que previne o HIV, que começará a ser oferecida no Brasil gratuitamente

A partir deste mês, o governo brasileiro irá disponibilizar no Sistema Único de Saúde (SUS) a terapia PrEP, que, por meio de um comprimido por dia, previne a infecção pelo HIV. O remédio, que tem efeitos colaterais, será reservado para casos específicos dentro de grupos de vulnerabilidade, como profissionais do sexo, pessoas transexuais, casais sorodiferentes - quando apenas um deles possui o vírus - e homens que fazem sexo com homens.

PrEP é a sigla para profilaxia pré-exposição, que impede a multiplicação do vírus nas células de defesa do organismo caso haja a contaminação. A medida é mais uma tentativa de frear a alta de infecções, que voltaram a crescer no país entre diferentes grupos, de jovens a idosos.

O medicamento não tem qualquer efeito sobre outras infecções sexualmente transmissíveis, como sífilis, gonorréia, HPV, hepatite B, além de também não prevenir a gravidez. Por isso, não substitui a camisinha. "O preservativo continua sendo a principal estratégia de prevenção", afirma Maria Clara Gianna, coordenadora-adjunta do Programa Estadual de DST/Aids da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo.

"Estamos iniciando uma nova política, e a PrEP é mais uma ferramenta à disposição. Estamos somando a terapia a um rol de tecnologias, todas voltadas para a prevenção, que terão uso combinado", explica Aluisio Segurado, chefe do Departamento de Moléstias Infecciosas da Faculdade de Medicina da USP e membro da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Participam da primeira fase da oferta do medicamento Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Manaus, Brasília, Florianópolis, Salvador e Ribeirão Preto. De acordo com o Ministério da Saúde, o programa será gradativamente expandido para todo o país. Além do SUS, o medicamento deve ser comercializado na rede privada.

De acordo com o último Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, 827 mil pessoas têm HIV no país e 40 mil casos são registrados todos os anos. Os grupos onde as infecções mais crescem são homens que fazem sexo com homens, de 15 a 24 anos, e idosos acima dos 60.

Para Gianna, ter a PrEP como mais uma política de prevenção ajudará o governo a reduzir custos lá na frente. "Não tenho dúvidas que iremos evitar várias infecções. E o custo de proteger alguém por um tempo é muito menor do que ter pessoas infectadas depois. É muito mais vantajoso para o SUS," afirma.

Além do Brasil, países como Estados Unidos, Canadá, França e Reino Unido também adotaram a PrEP. O Brasil, no entanto, é um dos poucos que oferecerá a terapia no serviço público de saúde.

Ao todo foram investidos US$ 1,9 milhão para o primeiro ano do programa. Inicialmente, o governo espera atender cerca de 7 mil pessoas.

Como a terapia funciona

O medicamento que o Brasil irá utilizar é o Truvada. É necessário acompanhamento médico, já que ele pode causar problemas renais e perda de massa óssea.

O Truvada é uma combinação em um único comprimido de duas drogas antigas já usadas no tratamento do HIV - o tenofovir associado à emtricitabina - e evita a infecção naqueles que ainda não foram contaminados pelo vírus.

O medicamento não barra a entrada do vírus no organismo, mas age no seu processo de multiplicação dentro das células de defesa. É esse uso da máquina humana pelo HIV que, ao longo dos anos, destrói o sistema imunológico do indivíduo.

Quando tomado ininterruptamente, o medicamento bloqueia uma enzima chamada transcriptase reversa e, ao fazer isso, quebra o processo de reprodução do vírus dentro das células.

O medicamento demora, em média, sete dias para fazer efeito nos homens e 20 dias nas mulheres, segundo o Ministério da Saúde. Portanto, sexo sem proteção nesse período com uma pessoa infectada pode gerar contaminação.

O remédio também não pode ser abandonado de uma hora para outra. A recomendação é que seja tomado ainda por quatro semanas após a última relação sem preservativo, para evitar a possibilidade de infecção.

Como será feita a distribuição

A partir de dezembro, a terapia estará disponível em serviços do SUS que já trabalham com prevenção do HIV, como Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) ou Serviços de Assistência Especializada em HIV (SAE).

O medicamento poderá ser acessado gratuitamente por pessoas de grupos considerados vulneráveis. Mas fazer parte de um desses grupos não é garantia de obtenção.

De acordo com o Ministério da Saúde, aqueles que sentem a necessidade da terapia irão passar por uma análise com profissionais da saúde, na qual serão considerados práticas sexuais, compromisso com a adesão ao medicamento e número de parceiros sexuais, entre outros fatores.

Aqueles que aderirem à PrEP precisarão passar por acompanhamento médico, com exames regulares de saúde, além de testagens para o HIV a cada três meses, e orientação frequente sobre comportamento sexual seguro.

De acordo com o governo, a terapia deverá ampliar o acesso aos serviços de saúde de uma população que nem sempre é acompanhada por eles.

"Ao buscar o serviço de saúde para utilização da PrEP, a pessoa é acolhida pelo serviço de saúde de uma forma mais ampla, recebendo todas as orientações sobre a importância de se prevenir de todas as infecções sexualmente transmissíveis, além do HIV", disse o ministério em nota.

O medicamento também deve ser disponibilizado para venda privada, com a necessidade de apresentação de receita médica. Cada frasco com 30 comprimidos - o suficiente para um mês - custará R$ 290.

Até o momento, apenas o Truvada tem cadastro na Anvisa para ser usado na PrEP. Novas versões genéricas devem chegar no mercado em breve. "Espera-se que no futuro próximo outros fabricantes de genéricos do mesmo medicamento possam também comercializar no país", afirmou o Ministério da Saúde.

Qual deve ser a rotina do paciente

De acordo com a Gilead, a companhia fabricante, o medicamento pode ser tomado por longos períodos de tempo.

No entanto, é necessário acompanhamento médico porque o Truvada pode causar problemas renais, além de perda de massa óssea. Outros efeitos colaterais reportados por estudos com participantes voluntários foram náusea, dor de cabeça e perda de peso.

Antes de iniciar o uso, é necessário passar por consulta médica. "É necessário fazer alguns exames, incluindo teste de HIV, teste para Hepatite B e avaliação da função renal, além de outros que o médico julgar necessários. Mas os três acima são mandatórios", afirma Anita Campos, diretora médica da farmacêutica para os países da América do Sul.

Também é necessário testagens regulares do HIV durante o uso do medicamento. Se houver infecção no período, é preciso interromper a terapia e entrar com antirretrovirais para evitar que o vírus fique resistente às drogas para tratamento.

"Se a pessoa tomar e não souber que está infectada, o vírus pode ficar resistente, porque o tratamento tem uma terceira droga (além das duas que estão no Truvada)", explica Campos.

Notícia de 04/12/2017

Compartilhe essa notícia
Você gostará destes vídeos:

Conheça a terapia que previne o HIV, que começará a ser oferecida no Brasil gratuitamente

A partir deste mês, o governo brasileiro irá disponibilizar no Sistema Único de Saúde (SUS) a terapia PrEP, que, por meio de um comprimido por dia, previne a infecção pelo HIV. O remédio, que tem efeitos colaterais, será re...[clique e leia na íntegra]