Vamos falar sobre esse importantíssimo conceito chamado vetor. Vou me arriscar a dizer que não importa o tamanho da aplicação que você irá desenvolver, seja para Web, Desktops ou até dispositivos móveis, os vetores serão necessários. É realmente um dos assuntos mais importantes da programação, mas eles são muito fáceis de serem entendidos. Vamos lá! Eu gosto de pensar em vetores como se fossem armários com gavetas. Nestes armários, como o da imagem abaixo, nós podemos guardar vários tipos de objetos. Com vetores acontece a mesma coisa.



Eles são compartimentos capazes de armazenar dados diversos, como números, caracteres isolados, textos, enfim, praticamente de tudo o que precisarmos.

Assim como fazemos com as variáveis, quando estamos criando um vetor devemos informar de que tipo ele será, ou seja, que tipo de informação ele será capaz de armazenar em suas “gavetas”. Também tomando como exemplo a imagem ao lado, vamos imaginar que fosse um vetor capaz de armazenar “documentos”. Claro que o tipo de dado “documento” não existe, mas ficará muito simples entender o funcionamento de um vetor assim. Nós poderíamos colocar, na primeira gaveta, o documento do carro. Na segunda, o documento da casa. Na terceira, documentos do celular, e assim por diante. Desde que fossem documentos, poderíamos armazená-los nas gavetas.

Bem, imaginando que tenhamos criado um vetor capaz de armazenar números inteiros, poderemos colocar cada número em uma gaveta diferente. A primeira gaveta poderá armazenar, por exemplo, o número 26, a segunda o número 31, a terceira o número 4 e assim por diante.

Dessa forma teremos um armário, ou seja, um vetor, armazenando a sequência de números que desejarmos. Para acessar estes números é muito fácil. Os vetores possuem índices, que nada mais são do que o número da gaveta, e é com eles que fazemos a manipulação dos dados. Vejam na imagem abaixo a ilustração de um vetor de números inteiros com 5 números armazenados:



Na primeira gaveta temos o número 26, na segunda o 31 e assim por diante. O destaque fica por conta da última gaveta, ou seja, do último índice, que armazena um número negativo. Assim como acontece nas variáveis, se criarmos um vetor de números inteiros, ele poderá abrigar números negativos sem qualquer problema.

Bem, para resgatarmos o valor armazenado nas gavetas, fazemos uma chamada ao vetor e ao seu índice, entre colchetes. Imaginando um vetor cujo nome seja “MeuVetor”, faríamos o acesso a um dos valores armazenados da seguinte forma:

MeuVetor[2];

Se quiséssemos acessar a próxima gaveta, ou seja, o próximo índice ou a próxima posição do vetor, faríamos:

MeuVetor[3];

O interessante a ser observado é que em praticamente todas as linguagens de programação os índices do vetor começam a ser contados a partir do zero e não do número 1. Vou ilustrar na imagem abaixo:


Para deixar claro o posicionamento dos índices e ainda supondo que este vetor se chame "MeuVetor", o número 26 está armazenado em MeuVetor[0], o número 31 está armazenado em MeuVetor[1], já o número 4 está armazenado em MeuVetor[2] e assim por diante.

Vejam que temos um vetor de 5 posições, portanto com índices variando de 0 a 4. Se tivéssemos um vetor de 10 posições, seus índices variariam de 0 a 9. O tamanho que um vetor terá, ou seja, a quantidade de índices, é definida no momento de sua criação.

É isso. Esse é o famoso vetor, que, conforme citei acima, sempre está presente em aplicações, grandes ou pequenas. Na sequência falaremos sobre Matrizes.


HARDWARE

Entendendo o seu computador

O que há dentro do meu computador?

Existem alguns componentes fundamentais presentes dentro do seu computador e é muito importante que você conheça um pouco sobre eles, seja para argumentar com algum vendedor durante a compra de um novo PC ou para identificar alguma atitude desleal de algum técnico que esteja te passando um orçamento para reparo. Na seção Raio-X aqui do Contém Bits você pode conhecer e entender mais detalhadamente sobre cada componente, ou também pode clicar abaixo no componente que deseja, para conhecê-lo melhor.

  • Gabinetes

  • Placas-Mãe

  • Processadores

  • Memória

  • Fontes

  • Drives Ópticos

  • Discos Rígidos

  • SSD

  • Placas de Som

  • Placas de Vídeo

Você Sabia?

A empresa Take-Two pagou à Infogrames mais de 22 milhões de dólares pelos direitos de Civilization, em novembro de 1994. Ainda sobre este título, Sid Meier, um dos seus fundadores, é o profissional da área dos games mais premiado em todo o mundo.


A empresa Universal City Studios, detentora dos direitos autorais do King Kong, processou a Nintendo logo após o lançamento de Donkey Kong, pois segundo ela, o game violava os seus direitos. Ela venceu o processo e recebeu da Nintendo uma indenização de quase 2 milhões de dólares.


O filme Mortal Kombat, inspirado no jogo de mesmo nome, faturou 23 milhões de dólares apenas no fim de semana de estreia nos EUA. Ainda sobre este título de sucesso, outra cifra que impressiona é o faturamento ao longo do primeiro ano: 1 bilhão de dólares no mundo todo.


O título Asteroids, do Atari, possui recorde de pontuação há 30 anos. Em 1982 um americano chamado Scott Safran atingiu a marca de 41.336.440. Atualmente ele faz parte de um minúsculo grupo de jogadores que conseguiram manter seus recordes por mais de 30 anos.


Utilizar seu notebook em camas, sofás ou qualquer superfície macia pode obstruir as entradas e saídas de ar, elevando a temperatura e provocando danos a diversos componentes. Utilize-o sempre sobre uma superfície rígida. Saiba mais aqui.