SSDO SSD (solid-state drive) ou unidade de estado sólido surgiu a partir de uma necessidade tecnológica, já que os atuais HDs são, quase sempre, o componente mais lento de um computador. É bastante frequente processador e memória ficarem aguardando a chegada de dados do HD, e isso, claro, é péssimo por duas razões: a primeira é que a sensação para o usuário é de que o computador está sempre lento, demorando demais para abrir programas ou até mesmo carregar o sistema operacional. A segunda razão é porque existe um custo financeiro alto investido na maioria dos computadores, principalmente em componentes como memória e processador, e que, nesse caso, ficam ociosos. De nada adianta o seu processador de seis núcleos trabalhar em perfeita sincronia com seus 16Gb de memória RAM sendo que as informações de que eles necessitam estão no HD e este não consegue fornecer dados em tempo hábil para evitar ociosidade do restante da máquina.

O SSD funciona, portanto, como uma mídia de armazenamento não volátil, mas utilizando a tecnologia de memória Flash e não o armazenamento magnético dos HDs ou o meio óptico utilizado por CDs, DVDs ou Blu-Rays.

Mas afinal de contas, o que é uma memória Flash?

A memória Flash nada mais é do que uma memória do tipo EEPROM (Electrically-Erasable Programmable Read-Only Memory), existente desde a década de 80. Ela não necessita de energia para persistir os dados, por isso é chamada de não volátil. O seu tempo de acesso e resposta é extremamente veloz quando comparada aos discos rígidos tradicionais e ela também traz vantagens sobre o HD quando o assunto é o consumo de energia. Como ela não possui componentes mecânicos, seu consumo é muitas vezes inferior ao de um HD quando comparamos os dois realizando as mesmas operações. O gráfico abaixo ilustra de forma bastante clara esta vantagem:

Como as tecnologias permitiram um barateamento das memórias Flash nos últimos anos, o que as empresas fizeram foi somente encapsula-las, inserir um controlador SATA e um conector de mesmo padrão e pronto! Estava, então, criado o SSD!

As vantagens do SSD ainda continuam: eles são muito mais leves do que um HD, pois além de fisicamente menores não possuem componentes como a carcaça metálica, eletroímas, motor, atuador, enfim, isso faz com que um SSD pese, em média, 75 gramas contra 700 gramas de um HD. Podemos citar ainda que um SSD não esquenta e é totalmente silencioso.

Você gostaria de ver um SSD em ação? Vejam a comparação do tempo de boot (tempo de carregamento do sistema operacional) de dois computadores com mesma configuração, porém um deles possui HD e o outro um SSD:

Mas com tantas vantagens e já no mercado há alguns anos, por qual motivo o SSD não exterminou por completo os HDs? Bem, o fato é que o SSD traz uma única desvantagem em relação aos HDs, mas ela realmente é significativa para grande parte dos usuários. A verdade é que o custo da memória Flash, embora tenha caído muito nos últimos anos, ainda é bem mais alto do que o custo de se desenvolver um HD e, por isso, a porcentagem de computadores rodando sistemas em SSD ainda é pequena. Apenas por comparação, acabei de fazer uma pesquisa rápida em um grande site de comércio eletrônico e encontrei um SSD de 120Gb sendo vendido por R$ 294,00. Pesquisei também o preço de HDs e encontrei um disco de 2000Gb por R$ 329,00. Notem a diferença absurda: com apenas 35 reais a mais eu compraria uma unidade de armazenamento não volátil quase 17 vezes maior! Se fizermos o cálculo do preço por gigabyte, chegaríamos aos números de:

SSD = R$ 2,45/GB
HD = R$ 0,17/GB

É uma diferença gritante e, como a maioria das pessoas necessita de muito espaço para armazenamento de dados, o SSD ainda não conseguiu ocupar uma fatia de mercado significativa.

É importante destacar que a questão do custo é, de fato, a única desvantagem do SSD, portanto é só uma questão de tempo para que ele tome o lugar do HD definitivamente. Isso não deve acontecer a curto prazo, mas a tendência é que o seu preço vá baixando até não ser mais interessante do ponto de vista econômico manter os HDs nos computadores.


HARDWARE

Entendendo o seu computador

O que há dentro do meu computador?

Existem alguns componentes fundamentais presentes dentro do seu computador e é muito importante que você conheça um pouco sobre eles, seja para argumentar com algum vendedor durante a compra de um novo PC ou para identificar alguma atitude desleal de algum técnico que esteja te passando um orçamento para reparo. Na seção Raio-X aqui do Contém Bits você pode conhecer e entender mais detalhadamente sobre cada componente, ou também pode clicar abaixo no componente que deseja, para conhecê-lo melhor.

  • Gabinetes

  • Placas-Mãe

  • Processadores

  • Memória

  • Fontes

  • Drives Ópticos

  • Discos Rígidos

  • SSD

  • Placas de Som

  • Placas de Vídeo

Você Sabia?

Ao completar o nível 99 do jogo Duck Hunt, para Nintendo, o jogo retorna ao primeiro nível, mas um bug impede que se acerte os patos neste recomeço. Este é um exemplo do que é chamado no mundo dos games de "Kill Screen".


Utilizar seu notebook em camas, sofás ou qualquer superfície macia pode obstruir as entradas e saídas de ar, elevando a temperatura e provocando danos a diversos componentes. Utilize-o sempre sobre uma superfície rígida. Saiba mais aqui.


O jogo Final Fantasy X para o Sony Playstation 2 vendeu, apenas no dia do seu lançamento, 1.455.732 cópias, estabelecendo um recorde de vendagem para as primeiras 24 horas de um game. Méritos da SquareSoft, que desenvolveu um excelente produto!


A partida mais longa do clássico Space Invaders durou incríveis 38 horas e 32 minutos e esta façanha foi conseguida por um jogador de apenas 12 anos! O jogo, claro, podia ser pausado para alimentação e descanso, mas ainda assim o recorde, estabelecido no dia 02/09/1980, ainda não foi quebrado. Saiba mais.


Apenas no ano de 1982, o clássico Pac Man vendeu mais de 400 mil máquinas de fliperama em todo o mundo e recebeu cerca de 7 bilhões de moedas nestas máquinas. Saiba mais.